Pular para o conteúdo principal

Fui tomar umas cervejas com meu TIO e acabei é tomando no Cu.

Sempre fui assumido para minha família. Sou Matheus tenho 1,85 de altura, branco e magro, tenho olhos pretos e apesar deles saberem sou discreto...
Meu tio Roberto é daqueles coroas com cara de safado, é alto com barba rala e uma leve barriga de cerveja, é o tio comédia da família, todo cheio de piadas e tal... minha relação com ele sempre foi de boa, as vezes vou na casa dele e por diversas vezes o via de samba canção, mas nunca senti nenhuma atração, era algo mais familiar. Mas naquela sexta-feira foi diferente...
Ao chegar ele estava na varanda, ouvindo música e tomando uma gelada, me convidou e ficamos colocando o papo em dia, já estávamos na quarta garrafa quando notei ele acariciar sua geba ao falar.
Roberto) – Faz horas que não arrombo uma buceta hemmmm
Dei uma risada discreta porque jamais pensei que havia algum intensão até o ouvir.
Roberto) – Oh sobrinho, seria bom tu liberar né?
Na hora fiquei envergonhado e tomei mais uma golada, rimos da situação e notei ele se afogar em mais uma garrafa enquanto minha mente tentava entender o que ele havia dito.
Roberto) – A cerveja acabou, pega mais na geladeira?
Fui a cozinha e abri a geladeira, era uma cozinha americana, espaço pequeno, enquanto pego ele vem por trás e me dá uma encoxada me fazendo sentir aquela geba dura.
Roberto) – Adoraria sentir uma mamada sua...
Sinto ele apalpar minha bunda “esse cuzinho deve ser delicioso” soprava no meu ouvido fazendo ficar arrepiado na hora.
Ele vira meu rosto e sem nenhum pudor começamos a nos beijar, era estranho, eu era tomado pelo prazer e então já tinha sua pica dura na minha mão que explodia por fora daquele short de futebol....
Batia uma para ele enquanto sentia o gosto do seu beijo, sua pegada carinhosa e seu cacete que pulsava de tanto tesão, nos arrastamos até o quarto.
Roberto) – Hoje você vai ser minha putinha!
Abaixo seu short e me deparo com aquele pau médio, moreno e com uma cabeça grande, começo passando a língua na cabeça e vou saboreando cada parte, então ele segura meu cabelo com força e atola aquela rola na minha garganta sem dó – me engasgo e tento sair, ele retira e mete de novo.
Roberto) – Hoje vai provar um macho de verdade
Sem terminar de dizer eu apenas sentia ele fuder minha boca, ia fundo e eu babava, mas gostava daquela pegada de homem, aquele jeito dele começava a me atrair, era um tesão louco e uma vontade que fazia meu cuzinho piscar, socadas e mais socadas, tentava as vezes respirar continuamente... em vão... sua forma de meter era mais rápida, ouvia ele falar palavrões, e eu ali... curtia aquela situação com meu tio.
Me puxava e ficava de frente a ele, em beijos ele apalpava minha bunda e me ordenava ficar de quatro, meu corpo agradecia, não via a hora de ver ele em ação e sentir aquela pegada gostosa me fudendo, mas aí que ele me surpreendia, eu de bunda empinada e ele metia agora sua língua. Que delicia!!!!!!!
Meu corpo na hora respondia aquele ato, eu gemia sem me importar com o volume, era gostoso demais sentir a língua dele caminhar no meu cuzinho, meu pau parecia explodir e sair baba sem ao menos eu tocar nele... eu me agarrava nos lenções e me contorcia pois era prazeroso demais.
Agora sentia a cabeça da sua rola encostar no meu cu, ele tampava minha boca e sussurrava no meu ouvindo.
Roberto) – Agora vai ver o que um macho de verdade...
Na mesma hora sinto ele socar sem dó, tudo de uma vez só. Grito de dor pois parecia que estava sendo rasgado, ele urrava palavrões atrás de mim enquanto metia ritmado, e eu respirava fundo, acostumava com a dor e aquilo começava a ser prazeroso, agora além de tomar no cu literalmente eu também senti suas palmadas na minha bunda, deliciosamente ele urrava meu nome enquanto eu rebolava e dava gostoso.
Roberto) – Ah sua vadia, se fizer assim eu vou acabar gozando...
Meu cu recebia a quentura daquele mastro gostoso, o lençol da cama já estava todo sujo com meu gozo e eu não me continha em mandar ele socar mais e mais, eu gritava.
Mete!!! Mete!!! Mete!!!!
Meu pau despejava porra na cama se se quer eu tocar, era o prazer de dar para o meu tio.
Então sinto uma estocada funda, sua força sobre meu corpo e então jatos e mais jatos de porra dentro de mim... que viagem..
Seu gozo quente estava todo despejado, ele calmamente tirava seu cacete e deitando ao meu lado dizia.
– Que foda gostosaaaaaaaaaaaaa!!!
Ele respirava fundo diante do cansado, me puxava até seu peitoral e ali fiquei. Pegamos no sono.
Acordei umas três da manhã e a porta apenas encostada, tomei uma água e sai, fui rapa casa tentando entender tudo, ou revivendo tudo na minha mente.
#Fim
História REAL do leitor Matheus – Da Bahia.
APENAS FOI ACRESCENTADO DETALHES NA HISTORIA, BUSCANDO MANTER FIEL A NARRATIVA DO ACONTECIDO.
◾️
Escrita por - Daniel

Deixe seu comentário, Dê seu Voto - Me ajude a melhorar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comi o coleguinha da minha irmã.

Sou Jorge, 25 anos, alto e moreno, faço academia e atualmente curso engenharia civil numa faculdade particular aqui de Campo Grande MS. Moro com meus pais e tenho uma irmã de 17 anos, sou um cara estiloso, curto me arrumar e também me cuidar, atualmente pego umas minas e prefiro assim, sem me apegar a alguém. Eu e Jessica, minha irmã se damos super bem, as vezes ela até agiliza com algumas amigas dela é eu caio matando... kkk Era final de tarde de sexta e eu estava de folga e tinha ido jogar um futebol com amigos, minha mana falou que teria que fazer um trabalho e por isso viria um amigo dela, mas que ate agora nao tinha chegado, entrei e fui direto para o banheiro tomar um banho pois estava super suado. Depois do banho desço de bermuda e sem camisa, noto que o tal carinha já estava na sala com Jessica Jessica) - Esse é meu irmão Jorge. Eu) - Prazer mano! Rapaz) - Prazer, me chamo Heitor. Logo quero saber do pai e e mãe Jessica) - Foram a um curso em São Gabriel do Oeste, voltam no d…

Tomei Leitada de um Motorista do Uber - Parte 2

Sou Leandro, tenho 19 anos, corpo magro, olhos castanhos e cabelo liso jogado no olho, tenho 1.70 de altura e trabalho como vendedor numa loja do centro, como sabem conheci um delicioso e roludo motorista do Uber. Depois que pequei o número dele fiquei louco pra repetir a dose, queria sentir aquela pica dentro do meu cu. Depois de dois dias eu não me agüentava de vontade, parecia que meu cu estava energizado por aquele cacete, o chamei que logo respondeu, seu nome é Erick e na foto de perfil parecia lindamente com terno e gravata, mas o que queria mesmo ele todo pelado pra mim é aí o papo foi fluindo. Ele então me íntima. - Cara na sexta tô de boa, se quiser tem umas quebrada pra fuder legal. Na hora meu cu piscou. Falei que pra mim de boa. Tá marcado! 🚘 Já estava naquele carro, agora sentado no banco da frente, íamos sei lá pra onde, agora ele estava de bermuda e regata que mostrava algumas tatuagens no braço esquerdo, aquele cara moreno encorpado e seu olhar sério me fazia tremer …

Metendo PICA no afeminado...

O sexo e o prazer é uma delicia em forma de gozar, e assim a vida nos condiciona as vezes a uma solidão, onde realmente estar em casa e batendo punheta se torna inevitável para ate mesmo um pegador.

Por este fato que em uma noite curtindo a solidão em casa, exatamente as 22 horas, e eu já havia batido uma 3 punhetas vendo sites pornô, porem a vontade de comer um cuzinho falava mais algo, e a vontade de meter minha rola de 19 cm numa bundinha era muito grande.

Foi ao pegar meu celular que estava caído na cama poderia ser a solução para meus problemas e assim o fiz, logo ao vasculhar minha lista de contatos me fez lembrar de um viadinho que há tempos não comia, e também não tinha mas contatos, mas a certeza que ao ligar ele iria cair na minha de novo.

Então na quinta chamada ele atendeu, seu nome era Marcos, ele tem 26 anos, magro e cabelo com franja na frente, bem viadinho mesmo, e adorava sentar numa pica feita a minha, pois há certo tempo direto eu comia seu rabinho, sem contar que ele …