Click Na Foto e Leia

Click Na Foto e Leia
Capitulo Novo Postado - 23/06/2017 - Acesse E Leia*

23 de junho de 2017

Matei Aula pra Dar o Cu. - Parte 01

No terceiro tempo, aula de matemática e eu no banheiro, aquele silêncio total bem diferente do horário do intervalo, mas precisava do silêncio pois não me sentia bem.
Sou Isaque, branco de olhos cor de mel, estatura média e magrinho, cabelo liso preto com corte moderno, tímido e de poucos amigos naquela escola onde era novato, sabia que meu grau de timidez era com referência ao meu desejo por garotos e toda aquela situação.
- Matando aula?
Ouvi logo atrás de mim, percebi ser Eduardo.
Eu) - Um pouco de dor de cabeça só...
Ouvia o som dele urinar no mictório e meu coração em disparado, afinal esse é o carinha bonito da sala, mas diferente destes personagens Edu como era chamado é super na dele, simpático e sempre alegre, não se achava como alguns com sua beleza.
Edu é moreno, corpinho de quem joga futebol e olhos negros, cabelo encaracolado e sobrancelhas que dava um charme no seu olhar de garoto irado.
Edu) - Tenho dipirona. Aceita?
Eu) - Precisa não... Já melhora.
Edu) - Vamos lá para o fundo da escola? Lá é de boa e ninguém perturba.
Eu) - A biblioteca abandonada?
Edu) - Sim rsrs quando sumo das aulas chatas já sabe meu segredo.
Eu) - A diretora não pega?
Edu) - Ninguém vai lá... Rlxxx. Vamos?
Lá era como um galpão, cheio de mesas e cadeiras estragadas e alguns materiais de construção, estava interditado.
Eu) - Nunca tinha entrado aqui, é maneiro hemmm
Edu) - Venho sempre aqui relaxar rsrsr e curtir umas mina kkkk
Aquela risada maldosa dele não me surpreendia, ele era alguém que atraia.
Edu) - E você pegando alguma da sala??
Fiquei sem graça na hora...
Fiz apenas sinal negativo com a cabeça.
Edu) - Cara faz hora que não como um cuzinho hemmmm
Dei uma risada e vi ele pegando com vontade no volume que se manifestava.
Edu) - Faz hora que notei que você tem uma bundinha responsa hemmmm, mais bonita que das mina...
Eu) - Oxxi tô te estranhando rsrsrdr
Edu) - Rlxx eu sou de boa, sendo bom para ambos tá Valendo...
Ele estava a um metro de distância de mim, então tentava mudar de conversa, mas ele parecia determinado.
Edu) - Tenho um primo meu que estuda a noite aqui é tora altos aqui.... As vezes ele me convida...
Eu) - Seu primo é do bairro?
Edu) - É sim... Gente boa ele.
Mas é aí vamos ficar nessa?
Eu) - Como assim?
Né que Edu tira a pica para fora e fica balançando...
- Sei que você gosta... Vemmm
Ouvia seu mastro bater na sua mão, não conseguia ter reação e nem o que fazer.
Edu) - Relaxa, ninguém vai ficar sabendo... Só está eu e você aqui.
Meu pensamento não conseguia estar na ordem, me aproximei, ajoelhei e toquei naquele troço enorme, veias saltadas e sem nenhuma mancha, apenas sinal das veias e ao me aproximar estar cheirosinha.
Sentia seu toque no meu cabelo como forma de me fazer se aproximar
Coloquei a cabeça na boca e lentamente fui curtindo àquele mastro, chupava devagar e sentia o gosto da pele morena, fazia o vai e vem, mas não conseguia engolir tudo, mesmo assim ele me forçando...
Edu) - Isso, hummmmm que boca gostosa hemmmmmm
Chupei toda extensão daquele pau gostoso, até ele me pedir para me levantar... Fiquei frente a frente com ele, senti suas mãos separar meu cabelo.
Edu) - Você é uma delícia...
Seus lábios tocam no meu, seu beijo gostoso e seu carinho, me entreguei naquele momento, pois jamais pensei que o carinha da sala me chamaria de delícia. rsrsrs
Meu corpo parecia energizado diante daquele prazer, seu jeito, sua forma e suas mãos que já apertava minha bunda.
Edu) - Você vai ser meu?
Fazia sinal positivo com a cabeça o ouvindo.
Edu) - Vai fazer o que eu quiser?
O momento mandava um sim é novamente beijos e beijos,
Me virava contra a parede e tocava na minha bunda.
- Empina esse rabo!
Com tapa ele ordenava, sentia então seus dedinhos molhados brincar com meu anelzinho.
Edu) - Que cu gostoso... Vou saborear ele logo logo...
Mordia minha bunda enquanto laceava meu cu.
Senti a cabeça da sua pica e me contorcia, ele enfiava devagar, uma dorzinha e somos interrompidos pelo barulho lá fora.
Edu) - Deve ser o zelador...
Colocamos a roupa e ficamos escondidos em silêncio, eu estava com medo, Porém era uma situação nova.
Edu dava risada, eu também e depois de uns momentos o sinal do fim da aula.
Eu) - Eita e agora?
Edu) A gente sai na maciota.
Mas é aí, amanhã vamos terminar?
Eu) – Ahhh não sei...
Sou interrompido com um beijo,
Pensei e pensei, acabei aceitando sei lá porque.
Edu) - As oito da manhã aqui neste mesmo lugar. Ok?
Fiz sinal com a cabeça, pequei seu whatsapp e fomos na boa, como se nada tivesse acontecido, encontramos a turma da sala e cada um seguia.
Chequei em casa meio dia e minha mãe notava minha alegria.
Mãe) - Olha chegou cantarolando hemmmm
Subi direto para meu quarto e então já via whatsapp de Eduardo.
(Amanhã hemmmm minha delícinha)
***Final de tarde sempre vou na padaria do bairro, chequei e pedi o pão, não tirava Eduardo da minha mente, mas quando vou saindo acabo trompando em alguém.
-Ah me desculpa!
Olhei despercebido e é um moreno alto, já tinha visto ele antes, mas nunca tão perto rsrsrsrsr- todo parrudo de um corpão, tatuagem no braço e uma carinha de garoto, aquele típico cara enorme com cara de neném rsrs era ele.
Perguntou se eu tinha me machucado e respondi, me organizei e sai...
(Hoje é meu dia de sorte rsrsrs dois delicias deste kkkk) pensei alto.
Queria que a noite terminasse logo, fui dormir cedo, acordei as 5;30 tudo pra ficar todo arrumado, tomei aquele banho gostoso, minha mãe até se assustou.
Chequei na sala e aguardava tocar o sinal para fugir, Eduardo estava lá no final da sala, de regata e todo lindo como sempre.
Sino toca e vou ao banheiro, era hora de matar aula para levar pica, meu cuzinho piscava de desejo e meu coração estava disparado de emoção e desejo.
Espero um tempo e vou, entrei naquele local meio escuro e vou para mesmo local q ficamos ontem, quando chego Eduardo ainda não estava, mas ouço.
- Olha que é o carinha desastrado da padaria!!!
CONTINUA****
AUTOR DANIEL -

Matei Aula pra Dar o Cu. - Parte 02 - Final.

Sino toca e vou ao banheiro, era hora de matar aula para levar pica, meu cuzinho piscava de desejo e meu coração estava disparado de emoção e desejo.
Espero um tempo e vou, entrei naquele local meio escuro e vou para mesmo lugar que ficamos ontem, quando chego Eduardo ainda não estava, mas ouço.
- Olha que é o carinha desastrado da padaria!!!
Levei um susto quando não é o cara que trompei, o parudo com carinha de novinho.
Eu) – O que faz aqui?
Quando não Eduardo aparece:
- Isaque esse aí é meu primo que te falei. – Paulo seu nome.
Eu) – Não me falou que ele estaria aqui.
Edu) – Foi uma surpresa.
Eu) – Vou para a aula!!!
Quando vou saindo o cara todo cheio de marra me segura pelo braço.
- Você não vai deixar a gente aqui tudo com vontade de você né?
Edu) – Minha delicia, você falou que faria tudo por mim, vem...
Neste vem aqueles dois caras a minha disposição, o seu primo todo gostoso, enorme e bonitão, já Eduardo aquele jeito dele gostosinho, meu coração parecia em dúvida entre ir e ficar, mas novamente sou puxado e o tal do Paulo mostra a que veio, me empurrando contra seu peitoral me lasca um gostoso beijo me fazendo apenas de agarrar naqueles braços todo másculo, sem entender apenas agia, enquanto isto Eduardo já vinha atrás de mim, abaixava minha bermuda e beijando minha nuca, fazíamos ali um sanduiche humano do prazer.
Quando Paulo tirou a camisa eu realmente percebi a diferença, muito além de um garotão com rosto de menino era dono de um tanquinho e de uma mangueira de uns 19 centímetros, grosso que pulsava forte, enquanto o beijava o punhetava e curtia o toque do Eduardo na minha bundinha,
A diferença da pica de um para o outro era gritante... do meu Edu era bem menor, grossa e tal, gostosa também, do Paulo era uma cepa de uma geba e eles ali, cada um com uma polpa da minha bunda, os dois me beijando e eu louco para ser atolado.
Nem me fiz de rogado, segurei numa das carteiras quebrada e empanei a bunda, ali um ao lado do outro, comecei a rebolar, então veio Eduardo primeiro, meteu a língua no meu anelzinho enquanto minha boca era atolada pela geba de Paulo, minha boca estava entupida enquanto Eduardo já enfiava seu pau no meu cu, a mesma dor de antes, mas agora com a segurança de outro macho forte que me beijava enquanto deixava seu primo me rasgar, o pior seria quando eles trocassem de posição, mas em fim, muita dor, pedi pra ele ir devagar, parar um pouco.
Paulo) – Calma nossa delicia....
Relaxei e senti o beijo e a segurança daqueles braços enormes enquanto Eduardo já judiava e acelerava com seu cacete.. E que sensação, meu corpo suava e dentro de mim eu mal conseguia me conter, dar o cu para dois era algo que jamais pensei, ainda mais as escondidas na biblioteca abandonada da escola, era bom demais.
Segurando minha bunda ele metia com gosto, enquanto eu chupara o rolão de Paulo ele mesmo abria meu rego para Edu socar sem dó e mais acelerado, ofegante aquele delicia parecia possuído por um cu e então anunciava seu gozo e eu todo aberto, sendo segurado por um mãozão até sentir ele tirar sua geba e espirrar todo seu gozo no meu bumbum...Paulo nem espera eu me ajeitar e já vinha, eu já tremia de novo, afinal a diferença de uma geba para o outra era demais... ele então enfiava, putzzz dei um salto pra frente, então me mandava relaxar e devagar enfiava, meu cu parecia sendo rasgado de novo, a dor era menor, mas a força dele era bem ousada, a quentura do seu corpo estava além, gostoso e ousado.
Puta que Pariuuu (Bradei)
Paulo atolava tudo, me fazia gemer sem dó, socava até o talo e meu anelzinho já antes judiado agora era realmente abusado por um picão de macho.
Paulo) – Que cuzinho gostoso Ai Ai ai.. v(dava Tapas)
Eu saia do lugar de tão forte que ele metia, me segurava naquela carteira escolar, meu cabelo era puxado e via o rosto de Edu feliz vendo aquela grandão me comer enquanto ele se punhetava.
Numa rapidez aquele homem me colocava agora em cima da carteira e abria meu cu, me atolava numa volúpia, enquanto apoiava minha perna no seu peitoral, dedava meu anel e dale rola, segurando minha perna ele não poupava socadas, eu me punhetava e Edu preenchia minha boca com seu pau... Nossa!!! Que era aquilo???
Na minha frente um baita homem com cara de garoto, dono de uma majestosa pica e uma pegada quente, na minha esquerda Edu, o carinha mais gostoso da escola com pau suculento e gostoso, eu me punhetava e os admirava enquanto num urro, grito e gemidos dos três o gozo era sensacional. No meu cu Paulo despejava jatos e jatos, eu gozava sem dó e lambia o gozo de Eduardo que esguichava no meu rosto.
FIM-
Autor Daniel

24 de maio de 2017

Fui tomar umas cervejas com meu TIO e acabei é tomando no Cu.

Sempre fui assumido para minha família. Sou Matheus tenho 1,85 de altura, branco e magro, tenho olhos pretos e apesar deles saberem sou discreto...
Meu tio Roberto é daqueles coroas com cara de safado, é alto com barba rala e uma leve barriga de cerveja, é o tio comédia da família, todo cheio de piadas e tal... minha relação com ele sempre foi de boa, as vezes vou na casa dele e por diversas vezes o via de samba canção, mas nunca senti nenhuma atração, era algo mais familiar. Mas naquela sexta-feira foi diferente...
Ao chegar ele estava na varanda, ouvindo música e tomando uma gelada, me convidou e ficamos colocando o papo em dia, já estávamos na quarta garrafa quando notei ele acariciar sua geba ao falar.
Roberto) – Faz horas que não arrombo uma buceta hemmmm
Dei uma risada discreta porque jamais pensei que havia algum intensão até o ouvir.
Roberto) – Oh sobrinho, seria bom tu liberar né?
Na hora fiquei envergonhado e tomei mais uma golada, rimos da situação e notei ele se afogar em mais uma garrafa enquanto minha mente tentava entender o que ele havia dito.
Roberto) – A cerveja acabou, pega mais na geladeira?
Fui a cozinha e abri a geladeira, era uma cozinha americana, espaço pequeno, enquanto pego ele vem por trás e me dá uma encoxada me fazendo sentir aquela geba dura.
Roberto) – Adoraria sentir uma mamada sua...
Sinto ele apalpar minha bunda “esse cuzinho deve ser delicioso” soprava no meu ouvido fazendo ficar arrepiado na hora.
Ele vira meu rosto e sem nenhum pudor começamos a nos beijar, era estranho, eu era tomado pelo prazer e então já tinha sua pica dura na minha mão que explodia por fora daquele short de futebol....
Batia uma para ele enquanto sentia o gosto do seu beijo, sua pegada carinhosa e seu cacete que pulsava de tanto tesão, nos arrastamos até o quarto.
Roberto) – Hoje você vai ser minha putinha!
Abaixo seu short e me deparo com aquele pau médio, moreno e com uma cabeça grande, começo passando a língua na cabeça e vou saboreando cada parte, então ele segura meu cabelo com força e atola aquela rola na minha garganta sem dó – me engasgo e tento sair, ele retira e mete de novo.
Roberto) – Hoje vai provar um macho de verdade
Sem terminar de dizer eu apenas sentia ele fuder minha boca, ia fundo e eu babava, mas gostava daquela pegada de homem, aquele jeito dele começava a me atrair, era um tesão louco e uma vontade que fazia meu cuzinho piscar, socadas e mais socadas, tentava as vezes respirar continuamente... em vão... sua forma de meter era mais rápida, ouvia ele falar palavrões, e eu ali... curtia aquela situação com meu tio.
Me puxava e ficava de frente a ele, em beijos ele apalpava minha bunda e me ordenava ficar de quatro, meu corpo agradecia, não via a hora de ver ele em ação e sentir aquela pegada gostosa me fudendo, mas aí que ele me surpreendia, eu de bunda empinada e ele metia agora sua língua. Que delicia!!!!!!!
Meu corpo na hora respondia aquele ato, eu gemia sem me importar com o volume, era gostoso demais sentir a língua dele caminhar no meu cuzinho, meu pau parecia explodir e sair baba sem ao menos eu tocar nele... eu me agarrava nos lenções e me contorcia pois era prazeroso demais.
Agora sentia a cabeça da sua rola encostar no meu cu, ele tampava minha boca e sussurrava no meu ouvindo.
Roberto) – Agora vai ver o que um macho de verdade...
Na mesma hora sinto ele socar sem dó, tudo de uma vez só. Grito de dor pois parecia que estava sendo rasgado, ele urrava palavrões atrás de mim enquanto metia ritmado, e eu respirava fundo, acostumava com a dor e aquilo começava a ser prazeroso, agora além de tomar no cu literalmente eu também senti suas palmadas na minha bunda, deliciosamente ele urrava meu nome enquanto eu rebolava e dava gostoso.
Roberto) – Ah sua vadia, se fizer assim eu vou acabar gozando...
Meu cu recebia a quentura daquele mastro gostoso, o lençol da cama já estava todo sujo com meu gozo e eu não me continha em mandar ele socar mais e mais, eu gritava.
Mete!!! Mete!!! Mete!!!!
Meu pau despejava porra na cama se se quer eu tocar, era o prazer de dar para o meu tio.
Então sinto uma estocada funda, sua força sobre meu corpo e então jatos e mais jatos de porra dentro de mim... que viagem..
Seu gozo quente estava todo despejado, ele calmamente tirava seu cacete e deitando ao meu lado dizia.
– Que foda gostosaaaaaaaaaaaaa!!!
Ele respirava fundo diante do cansado, me puxava até seu peitoral e ali fiquei. Pegamos no sono.
Acordei umas três da manhã e a porta apenas encostada, tomei uma água e sai, fui rapa casa tentando entender tudo, ou revivendo tudo na minha mente.
#Fim
História REAL do leitor Matheus – Da Bahia.
APENAS FOI ACRESCENTADO DETALHES NA HISTORIA, BUSCANDO MANTER FIEL A NARRATIVA DO ACONTECIDO.
◾️
Escrita por - Daniel

Deixe seu comentário, Dê seu Voto - Me ajude a melhorar.

Além do cigarro, o pedreiro também aceitou meu cuzinho.

Num um dia chuvoso aqui em Campo Grande, exatamente as sete da manhã levanto e vou tomar aquele banho, ao sair noto que havia um dos pedreiros que estão fazendo alguns reparos no condomínio onde moro, ele estava na porta e viria tirar umas sujeira do encanamento que haviam terminado no dia anterior.
Eu) – Bom dia!!! Aceita um café?
Pedreiro) – Opa esse tempo está convidativa ne.
Entreguei a ele uma xicara enquanto o observava, alto e magro, branquinho e parecia ter uns 27 anos, rosto com algumas espinhas, boné de cor vermelha e uniforme, estava com uma calça bem rasgada e suja.
Eu) – E ai, muito trabalho?
Pedreiro) – Com essa chuva fica complicado.
O carinha realmente era um lance interessante, seu olhar de boa e uma chuva forte, nenhum dos seus amigos parecia estar por perto.
Pedreiro) – Pior que depois do café dá uma vontade fumar, meu cigarro acabou e ai já viu rsrsrs
Eu) – Ainda bem que nem fumo rsrsrrss
Em determinado momento ele sacou eu tentando identificar o tamanho da sua geba, o que não dava pra ter uma noção com aquela calça.
Pedreiro) – Posso usar seu banheiro?
Respondi q sim e tal, ele entrou e ao sair fazia movimentos de balançar aquele cacete, eu já estava com agua na boca, lembrei q minha mãe fuma e pequei uma carteira de cigarro.
Eu) – Toma manow, minha mãe está viajando e geralmente sobra aqui.
Ele pegou e mexendo na posição do seu mastro me fazia delirar.
Pedreiro) – Ohhh cara precisa não rsrssrsrs, mas já que ofereceu vou pegar.
Já foi acendendo um cigarro ali mesmo e eu somente de olho.
Pedreiro) – Você não fuma né?
Eu) – Pior que não rsrsrs
Pedreiro) – E esse tipo de cigarro?
Quando não ele está segurando na sua piroca por cima do short e mostrando pra mim, fiquei meio sem graça... mas tá na chuva tem se molhar.
Eu) – Parece ser bom...
Pedreiro) – Só provando pra saber
Né que ele perto da porta do quarto já abaixava sua bermuda deixando seu mastro livre.
Pedreiro) – Vem!!!!
Não me aguentei e já fui pegando, uma geba grande, não muito grossa, meio torta e com veias saltadas, aquele pau parecia suculento eu já caia de boca, que deliciaaaaaaa, comecei a chupar aquele pau enquanto ele soltava fumaça com o cigarro.
Pedreiro) – Que boca gostosaaaaaaa
Ele movimentava sua geba devagar dentro da minha boca, eu caminhava minha língua por toda extensão daquele mastro, suas bolas era minha diversão, coloquei todas dentro da boca enquanto o punhetava, aquele carinha todo gostoso me segurava pelo cabelo.
Pedreiro) – Abre a boca!
Obedeci e numa forma só ele atolava a geba, não conseguia engolir tudo, mesmo assim ele fazia entrar o máximo, eu estava sem ar, tentava tirar mas ele mandava eu aguentar.
Pedreiro) – Isso... segura... isso, gosta de um cacete né.
Ele então metia com vontade na minha boquinha, enfiava até minha garganta, eu gostava daquela dominação toda, aquele pau suculento.
Quando não estávamos no quarto, ele somente com a camiseta do uniforme e aquele mastro duro feito pedra, eu já com cuzinho piscando de vontade de sentar naquele pau, o empurrei na cama, ele caia e comecei a mamar e pegar em seu corpo, a chuva caia lá fora e eu querendo dar gostoso, chupei seus mamilos e ele no êxtase, pequei um gel e então encapei aquele mastro, sem demora colocava dentro de mim cada centímetro.
O surpreendia com uma sentada gostosa me apoiando em seu peitoral enquanto escorregava meu cu naquela rola, uma dor gostosa, e meu anelzinho engolindo até o talo.
Pedreiro) Que cuzinho guloso em...
Comecei a fazer movimentos, aquele sobe e desce, e ele só viajando, meu cuzinho apetado mordia seu pau, e numa foda eu mostrava pra ele o gosto de um cuzinho.
Sobe e desce.... Aquele pedreiro não esperava por essa.
Pedreiro) – Que sentada gostosa, melhor que muita mina por aí.
Nossa!!! Que viagem, sentia tudo dentro de mim, curtia seu corpo, enquanto rebolava feito uma cadelinha no cio, era assim q estava, matando o desejo por aquele pedreiro gostoso, e aquele mastro saboroso.
Fiquei uns 15 minutos rebolando ao ponto dele me pedir pra parar, se não iria gozar.
Pedreiro) – Quero comer você de quatro... empina esse rabão pra mim.
Fiquei ali, ele me deu um tapão e enfiou 3 dedos no meu rabo.
Pedreiro) – Que cuzinho guloso, vai tomar mais pau.
Sem dó atolou sua geba, me segurou e com força metia. Eu gemia de dor e prazer, ele parecia sedento por um cu, ao mesmo tempo que metia mantinha dois dedos dentro de mim pra me rasgar, eu gritava e gostava daquilo tudo, aquele branquinho sabia como regaçar um cu faminto por geba.
- Que cu gostoso, que delicinha de rabinho. Toma!!!!!
Ele acelerava, anunciava num grunido seu gozo e logo enchia a camisinha de leite, enquanto eu já molhava o lençol com meu gozo também.
Pedreiro) – Manow! Q gozada gostosa que dei hemmmm.
Eu) – Opa se foi....
Pedreiro) – Cara a chuva não passa, então acho que amanhã volto para tirar esse lixo. Combinado?
Então ajoelhei e cai de boca naquele pau todo melecado e já sem camisinha, mamei gosto o fazendo ficar meia bomba, era o sinal de que esperaria ele no outro dia.
#FIM
AUTOR Daniel

************************
Deixe Seu comentário - Voto e Me AJUDE a melhorar.

27 de abril de 2017

Minha Filha Soube Escolher Bem Nosso Macho.


Sou Teodora, tenho 59 anos e sou viúva, prático natação e tenho uma vida bastante ativa, quem me conhece não confirma minha idade, pois sempre me cuidei.
Sou morena de 1.80 de altura, corpo natural e olhos castanhos, cabelo no ombro e ando sempre muito bem arrumada.
Era uma noite de sexta-feira e Bernardo, o namorado da minha filha já tinha-a levado para faculdade, provavelmente ele voltaria isso porquê nos finais de semana ele dorme aqui em casa, então resolvi deitar assistir um filme, tomei meu banho e de camisola fiquei ali, televisão ligada e aquele tesão enorme, comecei a massagear minha bucetinha que toda molhada, mas queria mesmo é uma rola, afinal fazia um bom tempo que não sabia o que era dar pra um macho.
Aquela sensação gostosa de se tocar, meu gemido foi constante ao ponto de viajar, sem ao menos se importar com o retorno de Bernardo.
Foi então que escutei algo cair, levantei e só de chinelos fui a cozinha.
Eu) Faz hora que voltou?
Bernardo) Uns 20 minutos.
Eu) Acho que pequei no sono!
Bernardo) Sra termina de fazer o café enquanto jogo uma água no corpo?
Eu) Se me chamar de senhora te jogo água quente kkkk
(Demos risada)
Bernardo) Verdade. Sras não usam camisolas e ficam tão sexy.
Fingi que não ouvi e fui terminar de fazer o café
Ele é um molecão, 25 anos, joga futebol e tem 1.75 de altura, corpo moreno claro e olhos castanhos, cabelo estilo exército, minha filha e ele estão juntos a uns quatro meses.
Após terminar o café fui levar pra ele, então notei que ainda estava no chuveiro.
- Café tá pronto!
Bernardo) Já estou saindo...
Fiquei ali no quarto analisando fotos novas que minha filha tinha colocado e nem me dei conta quando ele saiu...
Foi direto pegando o copo de café e bebendo...
Bernardo) Delicia hemmmm
Ele com aquela cara maldosa e eu com a bucetinha em chamas, ele somente de toalha parado na minha frente, fiquei curtindo cada parte do seu corpo, Bernardo foi à direção da porta e parecendo sentir meu desejo por ele, sem nenhuma vergonha tirava a toalha na minha frente.
Penduroua toalha na porta e retornou na minha direção.
Pegou na minha mão e colocou na sua rola dura feito pedra.
Bernardo) Você me deixou com muito tesão gemendo daquele jeito lá no quarto.
Sua mão erguia minha camisola enquanto eu o punhetava, ele então começava a acariciar minha xoxota toda molhadinha e chupar meus seios.
Me pegou no colo e jogando com calma na cama abria minhas pernas pra me levar ao delírio, caia de boca gostosamente.
Sua língua caminhava devagar por toda extensão dá minha bucetinha, era maravilhoso a forma de sentir ele me chupar.
Mexia toda língua dentro de mim....
Tocava em todo seu corpo e puxava seu cabelo quando ele me levava ao ponto de gozar... Porém me segurava... Queria sua rola dentro dela me fazendo gemer... mas ele me deixava toda molhada com seu chupar... coisa que fazia tempo que não recebia.
Agora era eu que ficava por cima dele e desci rumo a aquele cacete, não muito grande, porém grosso e suculento, chupei com vontade ao ponto de sentir seu caldinho, desci até suas bolas e as engoli, ele segurava meu cabelo e enfiava sua rola na minha boca, porém ele agora metia com vontade, socava sua pica na minha goela, sentia anciã, mas aquela dominação me deixava louca, ele me ordenava ficar de quatro na cama, obedeci e então estava ali de bundinha empinada e ele encapando sua rola pra socar dentro de mim, com tapão o sentia atolar gostoso em mim, minha xoxota era toda preenchida e ele metia sem dó.
Bernardo me segurava com força enquanto metia, puxava meu cabelo e eu gemia, pois nunca tinha transado tão gostoso...
Cada socada dentro de mim era a confirmação de que aquele garoto era bom demais, sua pica preenchia bem meu prazer e sua disposição era anormal. Dei com vontade de quatro, rebolei na sua rola e senti o peso da sua mão deixando marca na minha bundinha.
Bernardo) Vem. Agora é sua vez de judiar do meu cacete.
Ele se deitava e eu encaixava seu cacete dentro da minha pepeca, então Bernardo já mordia o bico do meu seio me levando ao auge, eu rebolava num sobe e desce dava um show de buceta naquele garoto gostoso, me apoiava no seu peitoral enquanto me segurava pra não gozar, ao mesmo tempo em que rebolava ele me parava e metia devagar na minha xoxota, eu gemia e não conseguia segurar a vontade de gozar naquela rola.
Suávamos num encontro sexual, ele me deitou e por cima de mim agora queria socar nela, beijou minha boca, senti todo seu corpo em cima de mim, viajei em cada parte ao tempo de receber mais pica, mordi seus lábios e baguncei ainda mais seu cabelo, pequei nos seus braços e curti as estocadas dentro de mim. Aquele garoto realmente me levava ao delíri com sua pegada...
Sentir sua geba dentro de mim, aquele vai e vem e eu louca pra gozar...
Ele metia freneticamente e eu com aquele homem grande em cima de mim, seu corpo e seu meter, logo não resisti e veio um orgasmo e instintivamente gritei, foi quando o ouvi também gemer e soltar seu gozo.... Aquela sensação gostosa de um sexo prazeroso.
Deitamos um ao lado do outro e nossa respiração ofegante era o sinal de que o prazer foi mútuo.
Bernardo) Nossa!!! Que delicia hemmmm...
Veio em minha direção e deu um beijo gostoso.
Bernardo) Esta na hora de buscar ela...
Logo ele já estava no banho de novo, fui com ele e curtimos ali, senti sua mão caminhar novamente, mas agora na direção do meu cuzinho, beijei sua boca enquanto me arrepiava com seu dedinho cutucando meu anelzinho.
Eu) Já quer né safadinho?
Bernardo) Não não resisti, voce é muito gostosa!
Cai de boca novamente naquela pica que já estava novamente dura, enquanto a água caia sentia o gosto daquele pau gostoso enquanto ele dedava meu anelzinho.
Então ele me pediu pra parar...
Bernardo) Vou ficar com vontade de gozar, e já estou atrasado...
Beijei sua boca e fomos se vestir.
Fiquei no sofá da sala enquanto ele foi buscar minha filha, imaginando aquele cara todo meu, nossa... que delicia...
Não demorou muito pra eles retornarem, percebi que Bernardo foi para o quarto rápido, talvez pela situação e tal, então minha filha veio toda feliz.
Filha) E ai mãe?
Eu) E ai, pensa... Gostoso demais...Gozei gostoso.
Fim
◾️◾️◾️◾️◾️◾️◾️◾️◾️◾️
Gostou do conto?
Comente
Vote
Me ajude a melhorar.

11 de fevereiro de 2017

E o goleiro? Levou bola na bunda.

Tinha acabado de chegar de uma partida de futebol, estava tudo suado e só de bermudão fui direto pro chuveiro, já era umas nove da noite.
Sou Vitor, tenho 20 anos e moro aqui em Campo Grande MS, sou branco de corpo médio, 1.70 de altura, prático Luta livre e sou jogador profissional a um tempo.
Tomei aquele banho e logo Samuel chega trazendo umas cervejas, ele além de ser goleiro do time é um cara gente boa, havia marcado com ele pra gente tomar umas, afinal ganhamos de 2 a 0.
Eu só de bermudao e todo à vontade, conversamos e falamos das dificuldades do time, papo vai e vem eu o analisava.
Ele é alto, por volta de 1.80 de altura, magro e todo sorridente, olhos castanhos e pele morena clara, jeitão matuto e bem conversador, morava com sua mãe e era todo brincalhão.
Eu sou novato no time, vim pra essa temporada, já Samuel é das antigas e ficamos ali bebendo e curtindo uma música.
Já era tarde e já tinhamos tomado altas, ele bem animado com seu jeito e eu meio zonzo mais na minha.
- vou jogar uma água no corpo. Blz. Fica de boa aí.
Deixei ele lá e fui todo de boa pro chuveiro, afinal o calor tem sido escaldante nestes últimos dias.
Eu todo pensativo já acariciava minha rola que tem uns 17 centímetro, grossa e com veias saltada e com carícias começo me punhetar. Tô lá naquela sensação gostosa que todo punheiteiro conhece... quando não abre a porta, noto ser Samuel nem dando tempo de perguntar nada, ele vinha faminto em direção do meu cacete.
Putzzzz que ele caia de boca.
Sentia ele segurar no meu pau e de joelhos abocanhar tudo, aquela boca quente engolia minha geba e num vai e vem parecia faminto por rola, me apoiei na parede do banheiro enquanto me deixava levar por um boquete que a muito tempo não recebia, cada parte do meu pau era aproveitado, as sugadas e as carícias me faziam calar, apenas fechei meus olhos a situação.
Segurei na sua cabeça e comecei a meter na sua boca gostosamente...
Aquele cara me fazia ouvir sua respiração, estava sem reação porém com muito tesão ao ponto de sentir seus lábios encostar ao meu.
Respondia seu beijo gostoso, tocava em seu cabelo e explorava cada parte do seu corpo, enquanto ele dá mesma forma retribuía com ousadia e carícias.
Ele então num ato rápido saiu do banheiro me deixando lá no vaco, me enxaguei e fui até o quarto,
Samuel estava deitado na minha cama com sua bundinha a minha disposição, meu cacete estava duro feito rocha, dei três tapão o fazendo gemer, deitei em cima dele mordendo sua orelha e falando.
- Quer sentir minhas bolas né?
Ele balançava a cabeça com sinal de confirmação enquanto eu dava meu OK com delicioso beijo,
-Abre esse cuzinho pra mim.
Com as mãos ele abria o caminho ao qual eu iria judiar na rola, mas antes resolvi dar uma lubrificada com a língua, que mal encostou já via ele se contorcer e se arrepiar, caminhei com vontade lubrificando cada parte.
Samuel gemia e parecia surpreso com meu gesto.
Aquele cuzinho todo apertadinho já estava todo molhadinho pra ser rasgado, dei mais dois tapão e apontei a cabeça dá minha rola bem no zoinho do seu cu que piscava pedindo pau...
Devagar fui colocando pedindo pra ele relaxar, com pouco de dor ele tentava se conter, em beijos o fazia curtir meu corpo em cima dele enquanto meu cacete sumia dentro do seu anelzinho que era alargado aos poucos, bem apertadinho eu viajava de prazer.
Sentia ele tenso e já com a rola toda atolada fiquei de boa uns tempos até ele acustumar, o beijava e curtia, mas já começava meter devagar...
Samuel estava ofegante mais começava a levar pirocada sem reclamar, seu cuzinho levava pica e seus gemidos demonstrava o quanto ele sentia prazer.
Putzzzz que cu apertadinho.
Já havia comido a bunda de umas mina, mas nada se compara ao cu daquele cara, nossa. Tinha tirado a sorte grande.
Cada estocada era um prazer, ele gemia e aos beijos uma sensação gostosa, meu suor e nosso sexo era prazeroso.
Empinava sus bunda e aquele anelzinho todo regacado pra mim, meu goleiro estava de quatro e eu metia a língua naquele cu e então socava a pica, ele gemia e rebolava gostoso no meu pau.
Samuel realmente curtia dar o cu e eu aprendia a se deliciar com aquele carinha gostoso, me beijando ele me deixou na cama e de pica apontada pro teto o via sentar sem dó, se apoiando no meu peitoral aquele goleiro rebolava e fazia aquele sobe e desce que me fazia viajar.
Meu cacete queria explodir toda porra naquele cu, com aquele sobe e desce eu me contorcia pra sentir mais seu cu sem derramar meu leite, gemia alto e via seu olhar com aquele jeito mal de me faxer gozar a força.
Há batida dá sua bunda até o talo e seu vai e vem, sua mordida nos meus lábios era algo impossível de nao gozar.
Pedi pra ele parar, sem chances, afinal ele cavalgava numa volúpia prazerosa ao ponto de me fazer gozar de uma forma louca.
Espirrei todo meu gozo e ele gemendo feito doido e numa sensação única então saia de cima dá minha geba e numa situação gostosa engolia toda minha pica lambendo tudo.
- Que boca gostosa!!!!!!!
Samuel agora limpava toda minha pica numa mamada violenta e eu acariciava seu cabelo, logo vindo até minha boca a gente se curtia em beijos, ele deitado ao meu lado a gente se curtia.
- Quer dormir aqui?
Samuel) - Vai me dar pica a noite toda?
Balancei a cabeça conformando que o goleiro do time iria levar bolada na bunda a noite toda.
FIM
Autor Daniel