Click Na Foto e Leia:

Participe!

Participe!

11 de fevereiro de 2017

E o goleiro? Levou bola na bunda.

Tinha acabado de chegar de uma partida de futebol, estava tudo suado e só de bermudão fui direto pro chuveiro, já era umas nove da noite.
Sou Vitor, tenho 20 anos e moro aqui em Campo Grande MS, sou branco de corpo médio, 1.70 de altura, prático Luta livre e sou jogador profissional a um tempo.
Tomei aquele banho e logo Samuel chega trazendo umas cervejas, ele além de ser goleiro do time é um cara gente boa, havia marcado com ele pra gente tomar umas, afinal ganhamos de 2 a 0.
Eu só de bermudao e todo à vontade, conversamos e falamos das dificuldades do time, papo vai e vem eu o analisava.
Ele é alto, por volta de 1.80 de altura, magro e todo sorridente, olhos castanhos e pele morena clara, jeitão matuto e bem conversador, morava com sua mãe e era todo brincalhão.
Eu sou novato no time, vim pra essa temporada, já Samuel é das antigas e ficamos ali bebendo e curtindo uma música.
Já era tarde e já tinhamos tomado altas, ele bem animado com seu jeito e eu meio zonzo mais na minha.
- vou jogar uma água no corpo. Blz. Fica de boa aí.
Deixei ele lá e fui todo de boa pro chuveiro, afinal o calor tem sido escaldante nestes últimos dias.
Eu todo pensativo já acariciava minha rola que tem uns 17 centímetro, grossa e com veias saltada e com carícias começo me punhetar. Tô lá naquela sensação gostosa que todo punheiteiro conhece... quando não abre a porta, noto ser Samuel nem dando tempo de perguntar nada, ele vinha faminto em direção do meu cacete.
Putzzzz que ele caia de boca.
Sentia ele segurar no meu pau e de joelhos abocanhar tudo, aquela boca quente engolia minha geba e num vai e vem parecia faminto por rola, me apoiei na parede do banheiro enquanto me deixava levar por um boquete que a muito tempo não recebia, cada parte do meu pau era aproveitado, as sugadas e as carícias me faziam calar, apenas fechei meus olhos a situação.
Segurei na sua cabeça e comecei a meter na sua boca gostosamente...
Aquele cara me fazia ouvir sua respiração, estava sem reação porém com muito tesão ao ponto de sentir seus lábios encostar ao meu.
Respondia seu beijo gostoso, tocava em seu cabelo e explorava cada parte do seu corpo, enquanto ele dá mesma forma retribuía com ousadia e carícias.
Ele então num ato rápido saiu do banheiro me deixando lá no vaco, me enxaguei e fui até o quarto,
Samuel estava deitado na minha cama com sua bundinha a minha disposição, meu cacete estava duro feito rocha, dei três tapão o fazendo gemer, deitei em cima dele mordendo sua orelha e falando.
- Quer sentir minhas bolas né?
Ele balançava a cabeça com sinal de confirmação enquanto eu dava meu OK com delicioso beijo,
-Abre esse cuzinho pra mim.
Com as mãos ele abria o caminho ao qual eu iria judiar na rola, mas antes resolvi dar uma lubrificada com a língua, que mal encostou já via ele se contorcer e se arrepiar, caminhei com vontade lubrificando cada parte.
Samuel gemia e parecia surpreso com meu gesto.
Aquele cuzinho todo apertadinho já estava todo molhadinho pra ser rasgado, dei mais dois tapão e apontei a cabeça dá minha rola bem no zoinho do seu cu que piscava pedindo pau...
Devagar fui colocando pedindo pra ele relaxar, com pouco de dor ele tentava se conter, em beijos o fazia curtir meu corpo em cima dele enquanto meu cacete sumia dentro do seu anelzinho que era alargado aos poucos, bem apertadinho eu viajava de prazer.
Sentia ele tenso e já com a rola toda atolada fiquei de boa uns tempos até ele acustumar, o beijava e curtia, mas já começava meter devagar...
Samuel estava ofegante mais começava a levar pirocada sem reclamar, seu cuzinho levava pica e seus gemidos demonstrava o quanto ele sentia prazer.
Putzzzz que cu apertadinho.
Já havia comido a bunda de umas mina, mas nada se compara ao cu daquele cara, nossa. Tinha tirado a sorte grande.
Cada estocada era um prazer, ele gemia e aos beijos uma sensação gostosa, meu suor e nosso sexo era prazeroso.
Empinava sus bunda e aquele anelzinho todo regacado pra mim, meu goleiro estava de quatro e eu metia a língua naquele cu e então socava a pica, ele gemia e rebolava gostoso no meu pau.
Samuel realmente curtia dar o cu e eu aprendia a se deliciar com aquele carinha gostoso, me beijando ele me deixou na cama e de pica apontada pro teto o via sentar sem dó, se apoiando no meu peitoral aquele goleiro rebolava e fazia aquele sobe e desce que me fazia viajar.
Meu cacete queria explodir toda porra naquele cu, com aquele sobe e desce eu me contorcia pra sentir mais seu cu sem derramar meu leite, gemia alto e via seu olhar com aquele jeito mal de me faxer gozar a força.
Há batida dá sua bunda até o talo e seu vai e vem, sua mordida nos meus lábios era algo impossível de nao gozar.
Pedi pra ele parar, sem chances, afinal ele cavalgava numa volúpia prazerosa ao ponto de me fazer gozar de uma forma louca.
Espirrei todo meu gozo e ele gemendo feito doido e numa sensação única então saia de cima dá minha geba e numa situação gostosa engolia toda minha pica lambendo tudo.
- Que boca gostosa!!!!!!!
Samuel agora limpava toda minha pica numa mamada violenta e eu acariciava seu cabelo, logo vindo até minha boca a gente se curtia em beijos, ele deitado ao meu lado a gente se curtia.
- Quer dormir aqui?
Samuel) - Vai me dar pica a noite toda?
Balancei a cabeça conformando que o goleiro do time iria levar bolada na bunda a noite toda.
FIM
Autor Daniel

Meu ex aluno cresceu e se transformou num delicioso e roludo homem.

Moro em uma vilinha de kitnet e confesso ser de pouco papo, trabalho o dia todo e chego apenas no começo da noite, porém notei que a alguns dias tinhamos um novo morador, parecia ser um jovem mas só vi de relance devido a correria do dia a dia .
Sou Sandra tenho 50 anos e estou solteira há 5, trabalho como professora e por isso tenho uma vida corrida e gosto disto.
Tenho 1.70 de altura e sou bem vaidosa, loira com olhos castanhos, sou magra e faço caminhada pra distrair, tenho um corpo normal e nada foi alterado a não ser com a ação do tempo, kkkkkk claro que sempre me cuido e por isso recebo olhares até mesmo de alguns alunos.
Sou bem focada no meu trabalho e na questão de sexo me vejo sozinha, mas prefiro assim e sempre que quero faço algo prazeroso com brinquedinhos que comprei pela internet.
Era um começo de final de semana quando chego e noto ter um belo homem sentado na frente da vilinha, fui caminhando rápido quanto fui interrompida.
- Professora!!!
Na hora olhei e, o novo morador veio todo sorrindo me cumprimentando, honestamente não me lembrava muito dele.
Ficamos conversando e notei ser da zona rural, dei aula no ensino médio quando ele tinha 15 anos, hoje ele disse estar com 20, era Ricardo no qual poucas lembrança vinha dele.
Um papo agradável e claro com meu olhar de análise de quão belo ele tinha se transformado e ai lembrava como franzino ele era, hoje é um moreno bem encorpado, cabelo curto, olhos castanhos e jeitão matuto.
- Você está linda, não mudou em nada de quando me dava aula.
Fiquei sem graça, mas conversamos, ele me convidou a ir na sua kitnet pra tomar um cafezinho que ele tinha acabado de fazer. Na hora entendi que aquele belo rapaz queria mais que papo, seus olhares e sua forma de agir parecia além de um simples interesse na amizade com sua ex professora.
Quando cheguei em casa confesso que meio recadada devido olhares e toda situação que me atraia, era a primeira vez que saia com alguém que já dei aula, além disto a vontade que corria no meu corpo, aquele cara legal, belo sorriso e o fato de eu ter o interessado me chamava atenção ao prazer.
Em seguida de um banho noto o whatsapp dele, passei meu número depois dele insistir e ai ta na tela, reluto mais respondo e eu parecendo uma adolescente fico ali, fascinada com papo dele.
Passado alguns dias o papo foi se aprofundando e é claro eu encantado e com muita vontade de dar pra aquele homem, no final de semana o recebo em casa e com vinho curtiríamos um som.
Não me aguentava de vontade ao ponto de várias situações ceder ao nosso desejo.
- Você é muito gostosa!
Aquele beijo e uma pegada prazerosa fazia eu ficar molhadinha, sentia seu beijo e o tocar nos meus seios, aquele som e àquela pegada, minhas mãos sentia seu corpo másculo e então a cama seria a descoberta do prazer.
Ele estava nu e seu belo corpo mostrava seu membro enorme, beijei sua boca e fui descendo até possuir na minha boca aquela rola grossa e gostosa.
Lambia cada parte daquele mastro enquanto ele afundava seus dedos na minha bucetinha.
- Tá toda molhadinha. Quer rola?
Ele sentado no sofá enquanto eu segurava no seu peitoral e colocava dentro de mim sua rola.
- Posso cavalgar gostoso no pau do meu aluno?
Sentava gostoso naquele pau e cavalgava com toda vontade.
Que pica gostosa!!!
Beijava aquela boca enquanto sentia seu cecete dentro de mim. Uma sensação diferente afinal nada melhor que uma rola original.
Ricardo mamava no meus seios enquanto eu sentava gostoso, a sensação de ter o pau daquele aluninho era ousado, aquele pau me consumia todo, enquanto seus lábios brincava com o bico do meu seio.
Eu curtindo aquele sexo com Ricardo que me beijava e de frango assado me socava a rola...aquele pau quente dentro de mim me fazia sentir-se leve.
- Aí aí mete! Mete! Hummmmm mete!
O peso do seu corpo e toda forma de meter me fazia chegar a um orgasmo gostoso, minha buceta mijava naquela rola gostosa e ele socando com volúpia também anunciava seu gozo.
Que sensação gostosa ter aquele aluno me fazendo gozar.
Naquele momento caímos na cama no render pós sexo.
Naquela noite transamos loucamente mais algumas vezes.
Fim
Autor Daniel
➖➖➖➖➖➖➖➖➖
✔Gostou do conto?
Comente! Vote!
Me ajude a melhorar.

O Carinha do Semáforo.

Sou Bruno, tenho 29 anos e não sou àqueles cara todo bonitão o bombado, sou um cara magro, 1.70 de altura e jeitão comum de ser, adoro shorts e regata, curto uma cerveja e uma fará com amigos.
Como disse sou um tipico normal, cabelo liso e pele indígena, um misto do povo daqui do Mato Grosso do Sul.
Quanto a sexualidade sou também ousado, não me defino como gênero ou identidade e por aí vai, acho que meu corpo fala por si, meus desejos e momentos fazem de mim alguém que não se apega a orientação sexual, se for bom pra ambos tá valendo.
Toda vez que passo pelo semáforo de uma das avenidas movimentadas aqui de Campo Grande noto um rapaz, ele fica ali fazendo sua arte e também demonstrando sua beleza, é um cara baixinho, corpo troncudinho e cabelo curto, no seu rosto algumas espinhas e seu sorriso chama a atenção, ele é moreno claro e todo estiloso.
Era domingo de clima quente, típico do meu estado eu estava indo pra casa, tinha dormido na minha mãe quando ao passar naquele mesmo semáforo lá estava ele, diminui a velocidade e então resolvi quebrar aquele tabu.
- Faz apresentações particular?
Aquele carinha todo sorridente veio respondendo.
- Se pagar bem que mal tem!
Dei uma risada de leve e ele me questiona.
- É aniversário?
Aquele alívio pois tinha entendido que ele interpretou como um programa kkkkkk olha minha viagem kkkkkkkkkkkkkk
- Não sei ainda, tem celular? Aí vejo e te falo.
Então ele prontamente me passou o wharsapp dele. Putzzzz que forma diferente de tentar ficar com um cara, rsr me senti um doido querendo por sexo
Fui pra casa e então teria que bolar alguma coisa pra ao menos ter uma exclusividade, chamei no zap que prontamente respondeu.
Ahh ele se apresentava como Heitor, era comunicativo, e curtia mandar um áudio kkkk eu respondia com texto mesmo e então foi fluindo o papo... Até ele mandar a real.
(Trabalho no semáforo e você não é o primeiro cara que quer. Relaxa mano! Já sei do seu particular e fui com a sua cara, parece gente boa, agora só marca que falo o preço)
Na hora meio que não acreditei, o cara achou que estava mesmo querendo pagar por sexo.
E não estava?
Fiquei alguns dias pensando no que fazer, ao mesmo tempo que me satisfazia em passar e ve-lo.
Em um belo dia vejo meu wharsapp e vejo o recado do carinha do semáforo.
(Desistiu? Tá com medo? É apenas um show...)
Ele desafiava meus medos, tipo nunca pensei que iria um dia pagar por um show com um carinha, se é que me entendem...
Numa noite de sábado resolvo me desafiar, marco aquele tal momento particular, não demora muito para ouvir a campainha tocar.
Heitor) Oi.
Eu) Entre. Fique à vontade...
Putzzzz eu estava morrendo de vergonha, era estranho a situação porém ele fazia ficar mais leve.
Abri um vinho e ficamos conversando.
Ele estava de bermuda branca, camiseta e cabelo todo estiloso, além de charmoso tinha um papo ousado, fez alguns marabalismo com pinos e dançou pra mim. Nossa! Eu estava hipnotizado com aquela cena toda, aquele cara baixinho, todo troncudinho me fazendo sorrir.
Eu) E quanto vai me custar essa dança?
Heitor) A apresentação custa 100, agora outras situações...
Então ele vem sensualmente me beijando. Isso mesmo!
Heitor me lascava um delicioso beijo, sentia seus labios finos tocar ao meu, ali mesmo tinha a emoção de um momento a parte com o carinha do semáforo.
Eu) É um garoto de programa então?, Estar ali é apenas um situação pra atrair clientes?
Pegando a taça da minha mão ele respondia.
- Quando comecei era pra tirar uma grana, logo um coroa me ofereceu grana pra sair com ele, então veio mulheres. Confesso que preciso desta grana pra pagar a faculdade e fazer meu futuro, ai faz um ano q tô lá. Da pra tirar um dinheiro legal
Eu) E se eu topar algo a mais?
Heitor) 200
Levantei e respondi com um beijo como sinal de que o prazer estava além da grana, toquei em seu rosto e juntos curtimos aquela apresentação do prazer.
Naquela sala caímos sobre o carpete no chão, sobre seu corpo sentia seu jeitão, seu perfume e aquela pegada gostosa, ele tocava em minha bunda com um aperto gostoso, eu sentia seu rosto.
Seu olhar e aquela sensação de desejo realizado.
Eu estava por cima dele num beijo, fui descendo devajar até descobrir seu sexo, aquela cueca preta e diante de mim a beleza do seu pau, que com uma pele fina demonstrava as veias e sua cabeça toda sem exagero, seus 17 centímetros de uma grossura que era igual em toda sua dimensão. Passei a língua nele todo e levemente fui punhetando, ele acariciava meu cabelo enquanto naquele vai e vem eu literalmente engolia cada parte, via no seu respirar o curtir de uma chupada diferente.... Suas bolas eram engolidas e sugadas com cautela.
Heitor se contorcia e eu queria ser enrabado... Meu cuzinho piscava só de pensar em sentar gostoso naquela rola grossa... Então com beijo na bola e por cima dele não conseguiria segurar essa vontade.
Fui até a gaveta pegar um preservativo que em instantes já estava encapada naquela vara com sabor de chocolate... E meu cu querendo rebolar gostoso.
Naquele chão eu estava sem nenhum receio, apenas preparado pra dar gostoso, meu cuzinho engolia cada parte do seu mastro, eu sentia um pouco de dor que era amenizado pelos beijos.
Aquele pau estáva até o talo dentro de mim, eu rebolava gostoso e sentia tudo àquilo me satisfazendo, me apoiava no seu peitoral enquanto subia e descia cavalgando com vontade.
Aquele cacete estava como uma pedra, ele segurava nos meus braços.
- Mete! Mete!
Entao Heitor socava sua rola dentro de mim enquanto eu me apoiava, aquele vai e vem nós levava a loucura, o beijava e descia sobre seu peitoral, sentia seu cheiro e começava a mamar novamente sua pica.
- Fode minha boca.
Ele segurava minha cabeça e me fazia engasgar com seu pau ao mesmo tempo que me punhetava sentia ele meter na minha boca.
Heitor) Fica de quatro, quero te regaçar na vara!
Obedecia feito uma cadelinha no cio, me apoiei no sofá e então com o cuzinho empinado eu batia na minha bunda o ordenando que me fudese.
-Vem meu macho!
Rapidamente Heitor atolava dois dedos no meu rego analisando o estrago que já tinha feito, com cuspe ele apontava sua geba que sumia dentro de mim.
Me segurando com toda força ele socava e me fazia gritar de tão acelerado que metia, sentia que tudo dentro se mim estava sendo rasgado e ele sem dó socava a pica, o prazer era tanto que meu pau já gozava levemente sem ao menos tocar nele.
Heitor me fazia ficar de frango assado, com as pernas pro ar ele me apoiava e olhando nos olhos via a fúria da sua vontade, sentia cada parte do seu corpo enquanto ele começava um momento mais calmo, sentia o calor do seu corpo e curtia seus beijos, nem parecia o veroz da posição anterior.
Minhas mãos caminhavam por cada parte do seu corpo, via seu olhar fixo e seu jeito ousado... era ele me seduzindo, em momento ele parou... Ficou me olhando.
Sem nenhuma palavra ele me puxava e me perguntava onde era o quarto, chegando lá caiamos na cama e ficamos então um de frente pro outro e logo nossas mãos ganhavam vontades, fui direto na sua rola e ele na minha bunda, ele me pedia pra ficar de bruços, sentia sua língua percorrer toda minhas costas até chegar lá.
-Nosaaaaaaa! Que sensação.
Isso! Heitor então começava a caminhar sua língua no meu cuzinho e eu rebolava com aquela sensação de arrepio por todo corpo.
Ao mesmo tempo que ele lambia meu rego sentia seus tapas na minha bunda me deixando louco.
- Quer pica??
Eu balançava a cabeça e pedia rola, ele então atolava aquele cacete até o talo me fazendo gemer.
-Ah Ah Ah me fode, me arromba.
(Gritava Eu)
Estava levando pica enquanto Heitor arranhava minhas costas e mordia minha orelha, cada estocada eu rebolava gostoso naquele pau, meu cuzinho apertava aquela geba e ele sentia em gemidos o prazer...
- Me fode mais rápido!
Heitor acelerava e socava sem dó, eu gemia alto, não conseguia me segurar diante daquele sexo, obarulho do seu meter era forte e numa viagem ousada ele se preparava pra gozar, eu então empinei meu cuzinho e ali, segurando forte anunciava num grito seu esporar, me punhetando eu também soltava meus jatos e loucamente unidos numa gazada se entregavamos ao prazer.
E QUE GOZADA!!!!!!!! #Maravilhosa
Caímos um ao lado do outro e juntos tínhamos uma sensação única.
Eu) Cara que foda gostosa foi essa!
Heitor) Que bom que curtiu.
Não acreditava que tinha curtido ficar com um carinha daquele, era diferente e ousado.
Me levantei e fui direto pro chuveiro, um banho aliviado enquanto ele também entrava, debaixo dágua se curtimos num beijar e acariciar, seu pau meio bambo recebia minha mamada, e ali era um pós sexo com muita pegada é carícias.
Heitor era carinhoso e de boa prosa, me deixava tranqüilo diante daquele momento e com isso que era um programa se tornou mais um sexo com prazer.
Pedimos uma pizza e conversamos bastante, dei 300 reais pra ele como pagamento.
Heitor) - Oh Cara, isso é mais que o combinado. Vlw.
Heitor) - Te levo até a porta.
Demos um abraço e lá se foi o carinha do semáforo, retorno radiante rumo a minha cama, quando noto um bilhete.
(Obrigado cara! Saiba que curti e quero repetir. Bjsss nessa boca gostosa)
Fim
Autor Daniel
➖➖➖➖➖➖➖➖➖
✔Gostou do conto?
Comente! Vote!
Me ajude a melhorar.

Tomei Leitada de um Motorista do Uber.

Tinha acabado de sair da Sauna Relax daqui de Campo Grande, aqui busao somente até a meia noite, ai que que recorri ao famoso aplicativo Uber, tinha tomado algumas cervejas e curtido uma noite legal, afinal o local é agradável e sempre vou pra sair da rotina.
Sou Leandro, tenho 19 anos, corpo magro, olhos castanhos e cabelo liso jogado no olho, tenho 1.70 de altura e trabalho como vendedor numa loja do centro, curto sexo e uma boa rola, pra mim o cara tem que ser daqueles com pegada, que saiba comer um cu sem dó.
Como disse chamei o Uber que não demorou muito, como estava com pressa nem me detalhei a beleza do motorista que só pude admirar quando adentrei no carro.
- Boa Noite!
Aquela voz grave e sua cordialidade me chamava a atenção, fomos conversando ao ponto dele me perguntar.
- Onde você estava é uma sauna gay?
Respondi que é sim e o papo foi fluindo, ele devia ter por volta dos 29 anos, estava bem vestido e ao analisar tinha uma barba de leve, moreno e meio encorpado.
Como moro longe fomos conversando e ele parecia curioso a respeito da sauna e confessou que tinha receio de ir.
- Mas lá rola pegação?
Perguntava ele.
- Se você for nesse intuito sim, mas tem gente que vai pelo ambiente. Respondo.
Então aquele motorista gostoso me confronta.
- Você foi por qual?
Dei uma risada de leve e disse que fui pelo ambiente, mas acabei curtindo com cara, acabei mamando ele é só, falei assim já pra estigar, afinal estava perguntando demais.
- Então você gosta de mamar kkkk (dava uma risada maléfica)
Respondo na lata.
- Se o conteúdo valer!
Noto que ele diminui a velocidade da corrida ao entrar numa rua escura.
- 20 centímetros mata sua vontade? Tá balançando pra você!
Na hora fiquei sem reação e dei uma olhada, era uma magestosa pica grande e grossa.... Ele parou o carro e fui para o banco da frente conferir de perto aquele instrumento, pequei naquela pica convidativa a ser mamada, com veias saltando e uma cabeçona.
Comecei a chupar aquele pau, putzzzzzz que rola gostosa, mal cabia na minha boca, ele forçava minha cabeça e literalmente eu caia de boca ouvindo ele gemer.
Aquele cara delirava e fodia minha boca, apesar do carro ser meio apertado eu curtia aquela situação, enquanto tinha uma pica me fudendo pela boca eu ainda sentia seu corpo.
Me apoiava naquela perna grossa enquanto caminhava minha lingua por toda extensão daquela geba.
Ele viajava na mamada ao ponto de gozar em momentos, me lambuzava com cada gota que saia aos poucos, porém queria mais e mais... queria seu jato todo de porra me fazendo engasgar, queria engolir seu leite... Chupava suas bolas enquanto o punhetava, então sentia o pulsar daquela rola no extremo prazer, começo a mamar, engolir cada centímetro e num vai e vem rápido e violento, aquela forma de engolir e voltar acelerado ao ponto de se engasgar, ele anunciava seu gozo e então loucamente ouço seu urro de prazer, sentia a quentura da sua porra é então engolia tudinho sem perdoar nenhuma gota.
Que delíciaaaaaaaaaaa!!!!!
Aquele motorista além de roludo tem uma potência na gozada, maravilhoso sentir jatos quente...
Depois naquilo pequei o número dele, já me deixado em casa ele me avisou.
- Na próxima quero gozar no seu cuzinho.
Sai rebolando pra ele e já com cu piscando.
Fim
Autor. Daniel

Tomei Leitada de um Motorista do Uber - Parte 2

Sou Leandro, tenho 19 anos, corpo magro, olhos castanhos e cabelo liso jogado no olho, tenho 1.70 de altura e trabalho como vendedor numa loja do centro, como sabem conheci um delicioso e roludo motorista do Uber.
Depois que pequei o número dele fiquei louco pra repetir a dose, queria sentir aquela pica dentro do meu cu.
Depois de dois dias eu não me agüentava de vontade, parecia que meu cu estava energizado por aquele cacete, o chamei que logo respondeu, seu nome é Erick e na foto de perfil parecia lindamente com terno e gravata, mas o que queria mesmo ele todo pelado pra mim é aí o papo foi fluindo. Ele então me íntima.
- Cara na sexta tô de boa, se quiser tem umas quebrada pra fuder legal.
Na hora meu cu piscou. Falei que pra mim de boa. Tá marcado!
🚘 Já estava naquele carro, agora sentado no banco da frente, íamos sei lá pra onde, agora ele estava de bermuda e regata que mostrava algumas tatuagens no braço esquerdo, aquele cara moreno encorpado e seu olhar sério me fazia tremer de desejo, chegamos num local bem deserto perto do porque dos poderes aqui em Campo Grande MS.
O relógio acusava uma da manhã, a lua estava linda e meu coração acelerado diante daquele boy, afinal no primeiro momento foi apenas uma mamada, agora iria curtir de verdade.
Erick me puxa e numa volúpia me lasca um beijo, sinto sua barba rala e sua boca com labios finos, pego no seu braço e sinto a força de sua pegada ao tempo dele apalpar minha bunda e sussurrar no meu ouvido.
- Vou esfolar esse cuzinho sem dó.
Meu coração disparado diante daquela ameaça prazerosa.
Beijo sua boca e meu silêncio vira aceite, naquela local escuro e cheio de árvore o sentimento era de dominação e ao abaixar sua bermuda via aquela rola explodindo pra fora, aparei com a boca e mamando fazia ele sentir prazer. De joelhos naquele chão sujo eu mamava naquela pica, sugava cada centímetro e tinha ele metendo sem dó, Erick segurava minha cabeça e enfiava tudo e meu engasgar era sinal do máximo, ele puxava meu cabelo e tomaaaaaaaaaaaa! Socava tudooooooo até o talo e com meu pedido de socorro ele voltava.
Eu todo engasgado era acudido pelo meu macho que me ordena.
- Se apóie no capô do carro que vou dar um trato nesse cuzinho .
Imediatamente ele ranca minha roupa e em plena lua cheia iria encher meu cu. Segurei no capô e com a bunda empinada sinto um tapão, era Erick amaciando o coro.
Ele me abria e com força me surpreendia com uma baita linguada na entrada do meu rego
Que deliciaaaaaaaaaaaaaaa.
Na hora me arrepio todo enquanto ele lambia meu cuzinho.
- Tá pronto, bem lubrificado pra toma rola.
Já sentia a cabeçona daquela rola na entrada do meu cuzinho, tentei conter ele o segurando pela perna, mas sou contido e tenho a mão segurada.
Na hora aquele arrepio virou uma dor, num cuspi ele atolava seu mastro em mim.
Gritei na hora, eu estava tendo meu cu regacado numa única estocada que me fez cair sobre o capô.
Que dor infernal!
Ardia muito!
Ele mantinha aquela geba dentro de mim sem me mexer até eu conseguir reagir e num beijo ele demonstrava que além de violento era dominador.
Vai e vemmmmmm... Devagar e com beljo ele me fazia ser dele.
Cada vez que ele aumentava as estocadas a dor e o desconforto ficava menor, agora aquela rola grossa começava a dar prazer, e que prazer... sua mão forte fazia de mim um viajante no prazer.
O suor tomava conta do nosso prazer enquanto a brisa da madrugada nos refrescava gerando aquele misto, cada centímetro e a batida das suas bolas me dominava, cada mordida na minha orelha me contagiava com seu poder de comedor.
Rapidamente ele ordena me deitar no capô, como a rua e mais baixa o acostamento era perfeito pra ele me atolar, aquele local gelado e eu de perna aberta e com cu regacado, passei o dedo sentindo estrago que o motorista do Uber.
Olhava pra ele e admirava seu jeito, moreno de barba rala e rola grossa, seu corpo na medida certa... ele segurava meu calcanhar e socava seu sexo dentro de mim, meu pau já babava sozinho, sentia que gotas do meu gozo havia saido sem eu nem me punhetar.
Eu gemia loucamente sem me importar com nada, era gostoso demais pra me preocupar, eu me punhetava enquanto ele socava no meu cu... Logo ele anunciava seu gozo, acelerava e eu também curtia o meu, em instantes que eu me lambusava todo ele retirava sua torra e espirrava seu leite sobre mim, ousadamente numa gozada maravilhosa meu motorista do Uber se desprendia da sua vontade e realizava a minha.
Fiquei por um tempo parado analisando ele se organizar, ele me puxava e com beljo falou que curtiu tudo aquilo é falou.
- Na próxima quero na Sauna!
Autor Daniel
➖➖➖➖➖➖➖➖➖
✔Gostou do conto?
Comente! Vote!
Me ajude a melhorar

O tímido, porém gostoso irmão da minha namorada.

Tinha acabado de tomar banho, sai somente de toalha e fui direto colocar uma roupa quando Lena minha namorada avisa que iria pegar seu irmão que chegava de viagem, não conhecia o piralho pois morava no interior, dei a chave do carro e fui ver meu futebol de domingo.
Sou Bruno, tenho 18 anos, atualmente trabalho numa oficina e curso engenharia, gosto de praticar exercícios mais não sou tipo cara maromba, tenho 1.80 de altura, branco, olhos castanhos claro, cabelo liso com corte moderno.
Conheci Lena na faculdade e à 4 meses estamos juntos, uma mina parceira e bonita, cursa pedagogia e a gente praticamente mora junto, ela não desgruda do meu apê.
Naquele instante fiquei vendo meu Corinthians jogar neste calor típico de Campo Grande MS vestido apenas uma bermuda bem leve e sem camiseta, só na torcida.
Antes daquele banho lógico que tinha rolado uma pegada gostosa entre eu e minha mina, então só de bermuda com a piroca judiada, mas ainda a ponto de bala, tenho 18 centímetros de rola que dó valor.
Passado um tempo a porta do apartamento abre e lá vem ela com seu mano, me levanto com o balangodando meio desorganizado fiquei sem graça.
Lena) - Esse é meu namorado de quem eu falei.
Eu) - Espero que tenha falado bem. Prazer sou Bruno.
Lena) - Falei apenas o quanto você é espaçoso kkkk, esse é Felipe meu irmão.
Me acariciando a beijava e dava uns flagra do garoto, era um moreninho, cabelo escorrido no olho, meio estranho kkk estava de regata e bermudão, apertava minha mão e de imediato pensei que aquele lá mordia fronha, era daqueles que tentava disfarçar mais estava nítido.
Falei pra ele se ajeitar lá no quarto de hóspede e ficar a vontade.
A noite fomos comer lanche e tive uma boa impressão, o garoto era falador e super apegado a irmã, pelo que entendi ele vai ficar essa semana por aqui.
Como sou meio espaçoso ter visita em casa era complicado, gosto de andar sem camiseta, só de bermuda e sem cueca, mas como ele era homem, ou ao menos parecia seria de boa.
Depois de uns dois dias fui notando que aquele doído me encarava demais, meio que desviava quando via que eu percebia, as vezes era pela minha liberdade na casa, forma de andar, ou porque minha impressão de que ele curtia uma rola seria verdade.
Numa quarta feira Lena tinha aula, eu estava apenas com aula web, foi daí que a levei na faculdade e a buscaria e ao voltar pro apé e já fui ficando sem camisa indo direto pro banheiro devido o calor.
Aquele banho bacana e eu já estava louco pra fazer um sexo, comecei a bater uma punheta embaixo dágua gelada com aquela sensação única, sou interrompido pelo celular e saiu do banheiro peladão pra atender, pois ficou na cama, era Lena avisando que viria com uma amiga no último tempo, quando não seu irmão entra no quarto e me pega ali, com bilau meia bomba e fica vermelho de vergonha.
Eu) - Opa mano! Nunca viu não kkkk
Felipe) - Desculpa, vim pegar um livro.
Notei que o carinha estava tampando o olho, meio que se aproximei e na hora joquei o lance.
Eu) - Calma mano! Kkkk e apenas uma piroca. Quer pegar?
Ele balançava a cabeca dizendo que nao, eu já estava com a rola duraca com aquela situação e chegando perto coloco à mão dele no meu pau.
- Sente ai cara!
Ele se assusta e tentando sair, mas eu sentia que ele queria...
Tirei a mão dele do rosto enquanto a outra estava na minha piroca.
- Relaxa! Passa a mão e sente, sei que tu gosta.
Felipe) - Não podemos, você é namorado da minha irmã.
Calei a boca dele com um beijo, então ele cedia e ao mesmo tempo que sentia seus labios o sentia me punhetar.
Aquele carinha já até ajoelhava pra cair de boca, sentia ele mamando timidamente pois parecia com receio e tal, mas enquanto sentia ele tentando engolir meu pau acariciava seu cabelo.
Putz né que só tinha cara de tímido. Mamava nervoso!
Passeava sua língua sobre a cabeça da minha rola e neste misto chupava gostoso, lambia prazerosamente enquanto eu ja socava gostoso, devagar fazia ele sentir a volúpia do meu pau fudendo sua boca.
Acariciava seu corpo e ali já o beijava, sentia aquele carinha todo tímido do interior, já apalpava sua bunda e ele sentia meu corpo, parecia confuso, mas era um sexo sem volta.
Se jogamos na cama e eu por cima dele comecei um jogo de sedução, colocava de bunda pra cima e àquele rabinho magrinho do tipo que levava rola com folga e aguentava sem medo, passeava meu dedo e via quanto apertadinho era aquele rego, ele erguia seu cuzinho e eu não me segurei, meti a língua no cu dele o levando ao êxtase.
Lambia e socava minha língua no rabo dele, ele se contorcia e deixando seu anel molhadinho o preparava pra levar pau.
Dei duas cuspida e já fui enfiando meu cacete, ele tentava sair com meio a dor mais com carinho ia pedindo pra ele relaxar e devagar foi engolindo com vontade, em instantes fui acelerando e ele curtindo a batida, se soltava e beijava enquanto ele rebolava na minha vara.
Nossa que cuzinho gostoso, apertado e agora sendo esfolado pela minha geba, carinha gostoso que dava bem, o coloquei de quatro e ali só fui dando madeirada.
Dava uns tapas naquela bunda magrinha e olhava aquela cu todo aberto, via o regaço da minha rola
Que cu gostoso!!!!!!!!
O coloquei de frango assado e toma mais pica, beijos e toma rola o ouvindo gritar no meu pau.
Puta que foda gostosa!!!
Meu cacete estava explodindo de vontade de gozar. Kkkkk
Ele se pinhetava e toma!!!!!!!
Putz que cu gostoso, não aguentava mais, ele já melecado com sua gozada e então meu pau explodia num gozo ousado.
Depois daquela transa ficamos ainda se beijando, ele tinha medo mais com papo fomos se conhecendo e meio que tranquilizado. Depois daquilo repetimos mais algumas vezes antes dele voltar pro interior.
FIM
Autor Daniel.
contosdedaniel@gmail.com
✔ Gostou? Deixe seu VOTO e seu comentário, pois assim você me ajuda a melhor.